Conheça Sigalei, a plataforma que monitora informações do Poder Legislativo

 Voltar

15/10/2019

Bernardo de Azevedo - Continuo a série de entrevistas com (co)fundadores de lawtechs e legaltechs do Brasil. Na entrevista de hoje, recebi a Sigalei, uma plataforma de monitoramento e gestão de informações do Poder Legislativo totalmente automatizada. Conversei com o Frederico Oliveira, Diretor de Negócios da startup, sobre o funcionamento da Sigalei e os planos para o futuro.

Conheça, então, mais detalhes da Sigalei:

1. Em primeiro lugar, como surgiu o Sigalei?

Surgiu em uma viagem em 2015 em que eu e o Danilo (outro fundador) conversamos sobre soluções tecnológicas que pudessem melhorar o engajamento dos cidadãos na política. Em síntese, o objetivo era desenvolver uma ideia de aplicativo para participar do concurso Inovapps, na época promovido pelo Ministério das Telecomunicações.

Dentre milhares de propostas enviadas, fomos selecionados e recebemos um investimento para desenvolver um aplicativo simples de monitoramento legislativo. Contudo, éramos dois engenheiros com conhecimentos limitados sobre política, e, apesar da tentativa, não foi bem sucedida no sentido de melhorar o engajamento político do cidadão comum, mas um importante passo para o lançamento das bases do Sigalei atual.

Diante da nossa limitação, procuramos por sócios cientistas políticos, e, por meio de uma contatos em comum, conhecemos o Ivan, doutor em Ciência Política, que também estava pensando em empreender. Agora, com o time completo, fundamos o Sigalei em 2016.

2. Só para ilustrar: quais são os serviços oferecidos pela startup?

Atualmente oferecemos uma plataforma de monitoramento e gestão de informações do Poder Legislativo totalmente automatizada para aqueles profissionais que precisam estar atentos, por exemplo, a alterações legislativas, como advogados tributaristas e profissionais de relações governamentais.

3. Em síntese, qual é o diferencial do Sigalei em relação às demais startups que oferecem soluções similares?

Possuímos uma tecnologia capaz de capturar as informações governamentais com grande profundidade, qualidade e confiabilidade.

4. Aliás, o Sigalei tem um Propósito Transformador Massivo (MTP)? Se sim, qual?

Queremos democratizar o acesso ao governo para a construção de políticas públicas mais eficazes e positivas para a sociedade.

5. Quem são as pessoas por trás da startup?

Ivan Ervolino: Cientista Político e doutor em Ciência Política pela UFSCar, estudou a Organização Internacional do Trabalho com doutorado sanduíche na Itália (Universidade de Turim). Antes terminar o Doutorado, sentia que um dos caminhos para a inovação na Ciência Política seria por meio do empreendedorismo;

Danilo Oliveira: Engenheiro de Computação pela UFSCar, mestre em Ciência da Computação pela USP com pesquisa aplicada à análise de dados do processo legislativo. Antes de fundar o Sigalei, foi trainee na Energisa e estagiou no CPqD e ALCOA. É apaixonado por política e tecnologia. Sua missão é desenvolver novas tecnologias que potencializem a interação entre o governo e os diversos grupos sociais e econômicos para que as decisões públicas sejam mais democráticas, consistentes e conectadas com as reais demandas da sociedade

Frederico Oliveira: Engenheiro Eletricista, mestre em engenharia eletrônica pela Unifei. Possui 10 anos em projetos de produtos eletromédicos. Antes de fundar o Sigalei, era head de engenharia em uma importante empresa de produtos médicos nacionais. Por trabalhar em um setor altamente regulado, sentia a dor da falta de uma solução que monitorasse as atualizações regulatórias.

Além disso, temos mais 8 profissionais entre desenvolvedores, marketing e vendas.

6. Enfim, quais são os planos do Sigalei para os próximos anos?

Estamos em um momento muito bom de crescimento e pretendemos continuar desenvolvendo novas tecnologias para continuar encantando nossos clientes com soluções que façam diferença para eles e as instituições que trabalham.


Acompanhe nossas novidades!

Assine nossa newsletter e fique por dentro da política brasileira.